no ,

PG 197 anos: O caminho das tropas fez surgir um município

A recentemente restaurada Estação Saudade (Arquivo DC)

Este aniversário de 197 anos de Ponta Grossa é momento para relembrar como tudo começou. Foi na primeira metade do século XVIII que teve início a ocupação das terras dos Campos Gerais. Com foco na pecuária, a região de Ponta Grossa se tornou rota de passagem de tropeiros que conduziam o gado e muares do Rio Grande do Sul para São Paulo e Minas Gerais. Os locais de descanso deram origem a pontos de comércio. A movimentação de pessoas deu início a vilas, e a um povoado em 1704.

Conforme descrito no portal da prefeitura, foi no século XIX que as vilas adquiriram características urbanas. 

O dia 15 de setembro de 1823 foi quando a povoação foi elevada a freguesia por decreto imperial. A data é importante porque Ponta Grossa passava a contar com Juizado de Paz, divisão eclesiástica e civil, mas ainda em dependência com Castro. A formação da cidade ainda levaria mais 73 anos para se concretizar, conforme explica a professora de História e Turismo Márcia Droppa. “Depois, em 7 de abril de 1855, a freguesia foi elevada a condição de vila de Ponta Grossa. Em 24 de março de 1866 a vila é elevada a cidade. A constituição de 1896 fez as vilas serem chamadas de municípios e os prefeitos eleitos pelo povo”, detalha.

Ferrovias e estações

As ferrovias e suas estações de embarque e desembarque – entre as quais está a recentemente restaurada Estação Saudade (Roxo de Rodrigues) – encurtaram distâncias e reafirmaram a cidade como referência para passagem ou permanência. Em 1890 já eram 4.774 habitantes.

Foram as ferrovias que intensificaram o desenvolvimento econômico da cidade, a partir de 1894, quando os trilhos da estrada de ferro vindos de Paranaguá atingiam a cidade. Grandes engenhos de erva-mate, beneficiamento de couro e de madeira começaram a surgir. 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Edição 33918

Impactos da industrialização vão muito além dos cifrões em Ponta Grossa